A Feira de Agualva (Maio de 1904)

A FEIRA DE AGUALVA

Aspecto geral da feira

Os bácoros

A carroça do almocreve

Uma mendiga cega

O teatrinho de fantoches

Vendedeira de louça

Suínos

A queijadeira

Um moço do gado

Uma transacção

«A feira de Agualva foi pitoresca e chamou gente. Fazia-se negócio, ouvia-se ruído de vozes em disputa, os mendigos lamuriavam pelos caminhos onde os maiorais passavam conduzindo o gado. Ao fim a paisagem verdejante, a vida campestre em toda a sua plenitude, ranchadas que vinham de longe, canções que se perdiam nas quebradas.

E o gado em montões repousava entre o vozear dos negociantes, estatelavam-se os vitelinhos brancos, muitos em grande quantidade, apresentavam-se as vacas malhadas e úberes, tratavam-se os negócios de copo na mão, num disputar que acabava quase sempre com risos.

Durante os dias de feira, que terminou em 4 de Maio, foi grande a afluência de gente a esse belo lugarejo de Agualva, onde se tinham armado barracas nas quais o negócio era de primeira ordem.

Decorreu tudo em boa harmonia e as transacções foram de certa importância. O que foi bastante útil tanto para os vendedores ambulantes como para o comércio local e mesmo para os mendigos que se arrastavam, chagados e lamuriantes, por todo o recinto do mercado e à beira das estradas

Imagens e texto (adaptado à grafia actual) retirados da ILLUSTRAÇÃO PORTUGUEZA, 9 de Maio de 1904

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...